Qual o órgão responsável pela organização e classificação do CID-10?

Tempo de leitura: 3 minutos

Com certeza você já se deparou com o CID-10, ela é uma lista internacional que classifica as doenças e problemas oficialmente identificados que estão relacionadas a saúde. Você pode encontra-la na internet e principalmente nas receitas médicas. A lista é composta por códigos, que identificam a origem das doenças, como tumores, doenças respiratórias e infecciosas. Cada um desses títulos tem um código de identificação.

Órgão Responsável

O órgão responsável pela criação do CID-10 e sua publicação é a OMS – Organização Mundial da Saúde. A lista foi criada com o objetivo de padronizar os códigos das doenças, além disso, a tabela também concede códigos de identificação para sinais de possíveis doenças, sintomas compatíveis, aspectos incomuns, e reclamações dos pacientes. Junto a isso, ainda há identificação de causas externas e socais para ferimentos. Cada possível estado de saúde dos pacientes tem uma chave de identificação atribuída ao CID-10.

Padronizando os códigos, é mais fácil e rápida a identificação das possíveis doenças, quando há troca de médicos no tratamento do paciente, e até mesmo em outro país, a tabela evita interpretações inadequadas por identificação errada de escrita, ou algo do tipo.

A tabela foi padronizada em ordem alfanumérica da letra A a Z, acompanhado de 3 números, totalizando uma identificação de 4 caracteres. Para cada letra – que corresponde a inicial do código – há mais de 95 tipos de doenças, problemas ou causas que levaram o paciente ao seu estado diagnosticado. Ela também pode ser dividida em capítulos, os capítulos correspondem as áreas localizadas de doenças, de maneira mais específica. Ao todo, são elencados 22 capítulos, tendo seu último nomeado Códigos para propósitos especiais. Dentro desses capítulos existem 275 grupos que compõe sua divisão, afunilando mais ainda pode ser observada a existência de mais de 2000 classes, redivididas em 12451 subconjuntos.

No momento, a tabela CID-10 está em vigência desde 1992, mas é revista regularmente, ou seja, está sempre atualizada. A OMS disponibiliza pequenas atualizações feitas na tabela uma vez no ano.

Porque usar o CID-10?

Além da identificação rápida relacionado ao estado de saúde do paciente, outros órgãos fazem uso da tabela para ajudar na identificação do diagnóstico. Um deles é a Previdência Social, que utiliza a tabela para auxiliar nos recursos disponibilizados para seus beneficiários, eles se baseiam no quadro de informações para as concessões praticadas.

Outro fator importante em que é usada a tabela, é na facilitação quando é buscado informações para elencar dados e medir a taxa de mortalidade e disfunções ocupacionais, procurando as maiores causas dos acontecimentos.

Nos atestados médicos, o profissional que o emite deve informar o código correto atestando a veracidade do diagnóstico do paciente. Porém, apesar de extremamente importante e um grande suporte nas buscas e identificações, o CID-10 não tem obrigatoriedade nos atestados médicos, pois dependendo da interpretação pessoal de quem a recebe, identificar o diagnóstico atestado ao paciente, pode ferir o sigilo entre médico e paciente. Caso seja vontade explícita do paciente, o código deve constar no atestado.

Quer entender mais sobre o CID-10, e como utilizá-lo da maneira mais eficaz? Nós preparamos um guia com os principais códigos e dicas de navegabilidade da Classificação para você. Confira aqui!